• Telefone
    +55 (11) 4226-0548
    +55 (11) 9 9794-0274

  • E-mail
    administracao@amaroconsultoria.com.br

Notícias

Prêmio MPE Brasil e Prêmio Sulsancaetanense da Excelência em Gestão
A SEDERT - Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Relações do Trabalho em 2013 iniciou um projeto para estimular as micro e pequenas empresas de nossa cidade a aperfeiçoamento de seus modelos de gestão, tornando-as mais competitivas e potencializando sua longevidade, através da aplicação do MEG - Modelo de Excelência da Gestão, e para tanto foi lançado o Prêmio Sulsancaetanense da Excelência em Gestão, que reconhece a nível municipal as empresas que conquistaram pelo menos 50 pontos no Prêmio MPE Brasil.

Em 2013 participaram do Prêmio MPE Brasil 227 empresas, destas 85 concluíram a resposta do questionário, e em 28 de novembro 17 foram reconhecidas com Prêmio Sulsancaetanense da Excelência em Gestão.

Em 2014 participaram do Prêmio MPE Brasil 248 empresas, destas 145 concluíram a resposta do questionário, e em 27 de novembro 30 foram reconhecidas com Prêmio Sulsancaetanense da Excelência em Gestão, e a empresa Giugliani Advogados com 98,75 pontos foi finalista no estado e representou nossa cidade na premiação em Brasília.

Assim gostaríamos de contar com seu apoio para estimular o maior número possível de micro e pequenas empresas (faturamento anual até R$ 3,6 milhões) a participar deste projeto em 2015.

As médias e grandes empresas também podem participar e muito embora não participando da classificação no nível estadual do Prêmio MPE Brasil, atingindo a pontuação mínima (50 pontos), recebem o troféu "Compromisso com a Excelência" do Prêmio Sulsancaetanense da Excelência em Gestão.

A participação no Prêmio MPE Brasil e no Prêmio Sulsancaetanense da Excelência em Gestão, assim como o apoio recebido para melhoraria da gestão prestado pelo Sebrae e SEDERT é gratuita, ou seja, sem qualquer custo para os empresários.

Próximos passos: http://www.mbc.org.br/mpe/ , responder ao questionário, e receber por e-mail o resultado e as recomendações para melhoria.

No dia 22 de junho, das 19h às 21h, no CECAPE participar do III Encontro Anual de Excelência em Gestão, ocasião em que as melhores práticas na aplicação dos oito critérios utilizados na avaliação do Prêmio MPE Brasil: Resultados, Liderança, Estratégias e Planos, Pessoas, Processos, Cliente, Sociedade, e Informações e Conhecimento, serão exploradas em grupo.

Em 27 de novembro, das 19h às 21h, no auditório do Instituto Mauá de Engenharia, acontecerá a cerimônia de reconhecimento do Prêmio Sulsancaetanense de Excelência em Gestão.

Contamos com seu valioso apoio nesta cruzada para tornarmos as empresas de nossa cidade mais competitivas.

Informações complementares:

O MEG está na 20ª edição, vem sendo aperfeiçoado pela FNQ - Fundação Nacional da Qualidade nos últimos 20 anos, e seus 8 critérios são utilizados para avaliar os projetos do PNQ - Prêmio Nacional da Qualidade.

O Prêmio MPE Brasil - Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas foi criado pelo Sebrae Nacional, MBC - Movimento Brasil Competitivo, Gerdau e FNQ para disseminar os conceitos e práticas do MEG, e reconhecer a nível estadual e nacional as MPEs que se destacaram nas suas aplicações.

Dados do Serviço de Apoio à Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) apontam que 60% das empresas no país fecham as portas até o segundo ano de existência. Segundo a pesquisa, de um total de 464.700 empresas que iniciaram suas atividades em 2007, 76,1% continuavam no mercado em 2008, 61,3% sobreviveram até 2009 e apenas 51,8% ainda estavam abertas em 2010, ou seja, quase a metade (48,2%) fechou as portas, e a principal razão disto é a má gestão.

A estimativa do custo social do fechamento das empresas, levando em conta somente o Estado de São Paulo, impressiona: 348 mil ocupações desaparecem por ano com o fechamento de 86 mil empresas. A soma da perda da poupança pessoal dos empreendedores com o capital investido no sonho do negócio próprio representa R$ 1,4 bilhão por ano. Com o fechamento dessas empresas perde-se um faturamento de R$ 18,2 bilhões, que, somado à perda do capital investido pelos empreendedores, atinge a cifra dos R$ 19,6 bilhões anuais (dados para 2008). Uma perda que equivale a 811,7 mil carros populares ou 27, 5 milhões de refrigeradores, ou, ainda, 67 milhões de cestas básicas.